quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

OS HOMENS DA LEI


Antigamente era difícil ter amizades com Advogados, Delegados de Polícia ou Defensores Públicos, muito menos com um Juiz de Direito e, nem pensar com um Desembargador, pois eram raros e ficavam num pedestal, bem longe dos pobres mortais – com o tempo, as faculdades de Direito abriram em cada esquina, formando pencas de advogados e, com os concursos públicos, possibilitando muitos deles, ainda muito jovens, começarem a galgar uma carreira jurídica, colocando bons e também péssimos profissionais no mercado.

Para exemplificar, cito três casos em que tive a oportunidade de conviver com eles:

1. Estudante de Direito - iniciei os meus estudos de Direito na Faculdade UNIP, por lá fiquei dois anos, onde fiz muitas amizades. Numa bela sexta-feira, a minha turma resolver tomar umas e diversas na Praça do Caranguejo, no Conjunto Eldorado – na hora de pagar a conta, um colega “filhinho de papai” criou a maior bronca, discordando do valor cobrado pelo garçom – os ânimos ficaram exaltados e, num acesso de fúria, ela derrubou tudo o que estava em cima da mesa, batendo com força com a mão e direita e, largou o verbo:

- Eu sou um estudante de Direito e exijo respeito! – gritando para todo mundo ouvir.

- Grande merda! – falou o garçom bem alto, provocando risos dos frequentadores.

No ano seguinte, pedi a minha transferência para a UNINORTE, começando do zero os meus estudos, porém, pedi o trancamento da minha matricula no período seguinte.

Não sei se aquele estudante chegou a concluir os seus estudos, também não sei se advoga ou passou em algum concurso, talvez seja um homem da lei – uma coisa é certa: por o cara ser abusado desde novinho, deve estar aprontando todas.

2. Delegado de Polícia – ainda muito jovem fiz um curso preparatório para o vestibular no antigo Colégio Einstein – eu era da ala da bagunça, mas gozava da amizade de alguns professores. Um dos meus colegas tinha “bala na agulha”, morava numa bela casa e o seu pai era dono de embarcações e postos de gasolina – o cara era mimado, tinha tudo do bom e do melhor. Passamos no vestibular, ele foi para a “Jaqueirona”, fazer Direito, enquanto eu fui para a Faculdade de Estudos Sociais.

Se formou e passou no concurso para Delegado de Polícia. Num belo dia, ele estacionou bem perto de mim, estava a bordo de uma moto de mil cilindradas, no Amazonas Shopping, quando o reconheci fui falar com ele:

- E ai cara, como está a vida! - perguntei numa boa.

- Cara, não te conheço, não! – respondeu com ar de desprezo.

O homem da lei usou e abusou das suas prerrogativas, aprontou todas, fez tanta besteira que foi até afastado de suas funções, respondendo processos e mais processos na Corregedoria.

Certo dia, ele me procurou para comprar um televisor de plasma, pois trabalhava numa empresa do ramo de eletroeletrônico – o cara me reconheceu, mas como já estava queimado na polícia, ficou todo pianinho comigo. O atendi muito bem, porém, com um jeito de quem nunca tinha visto na minha vida. Pois é, ele se achava o He-Man!

3. Juiz Federal – frequento faz muito tempo o Bar do Armando, no Largo de São Sebastião, onde fiz parte da diretoria da Banda da BICA - tive a oportunidade de conhecer muitas pessoas, incluindo jornalistas, poetas, escritores, advogados, defensores e juízes. Alguns deles gostavam de ostentar o cargo que ocupavam, andavam até com seguranças – tinha um deles que eu sabia que era funcionário da Justiça da Federal, não quis saber qual o seu cargo e, ele não gostava de falar sobre isso.

Com a morte do Armando, a grande maioria dos antigos “biqueiros” deixaram de frequentar aquele estabelecimento etílico. Vez e outra me encontro com aquele servidor federal no Bar Caldeira – ele sempre me cumprimenta, sorri e gosta de me abraçar, isso é um belo gesto da nossa antiga amizade de mesa de bar.

Recentemente, precisei entrar com um processo na Justiça Federal e, lembrei do amigo para uma orientação – para minha surpresa, fui descobrir depois de logo tempo que ele era Juiz Federal – um homem da lei federal! Pense num cara humilde, de fala mansa e amigo de todos, muito diferente de alguns de seus pares que acham "Deus".

Pois é, mano velho, o nosso Klain é o máximo!


É isso ai.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

DIA DA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO



Hoje é feriado no nosso Estado, com a comemoração da nossa padroeira (santa protetora) do Amazonas, a Nossa Senhora da Conceição – a imagem da santa chegou a Manaus no século 17, sobreviveu a um incêndio e, em 1950 foi considerada a nossa santa maior – ela é uma invocação a Maria, mãe de Jesus – é uma tradição brasileira montar a Árvore de Natal e enfeitar a casa no dia de hoje. 

Eu gostava de brincar com os colegas de trabalho, principalmente da ala dos evangélicos, sempre falava que nos feriados católicos eles deveriam trabalhar, pois eram explicitamente contra os santos e santas e, afirmavam que pecamos ao adorar imagens, mas, nos dias santos eram os primeiros a curtir a folga no trabalho – brincadeiras a parte, o Brasil é um Estado laico, com liberdade de crença, proteção e respeito religioso.


A Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição, fica no Largo da Matriz, no centro antigo de Manaus, segundo o historiador Abrahim Baze “Já em 1695, no entorno da Fortaleza de São José da Barra do Rio Negro, era a vez dos padres carmelitas construírem a Matriz de Manaus, naturalmente dedicada ao louvor a Nossa Senhora da Conceição. Construída no Largo da Trincheira, hoje Praça 15 de Novembro. Demolida em 1781 e erguida outra no mesmo local, embora não tenha sido concluída. Novamente demolida por ordem do governador Manuel da Gama Lobo de Almada, que reedificou outra maior no mesmo lugar. Tragédia do Incêndio - Ocorrido no dia 2 de Junho, o que a reduzia a cinzas, dessa forma foi nomeada uma comissão central, com agentes nas vilas e freguesias do interior para levantarem recursos para a nova construção. O surgimento da nova Igreja - foram iniciados em 10 de Julho de 1858, tendo sua pedra fundamental lançada às sete horas da manhã do dia 23 de Julho de 1858, era Presidente da Província Francisco José Furtado”.

Aproveito a oportunidade, para desejar muitas felicidades a minha mais antiga vizinha do Conjunto dos Jornalistas, a Dona Conceição, aniversariante do dia. Ela é uma católica fervorosa, coordenadora de um Grupo de Orações e da Novena de Natal em Família.

Parabéns Conceição! Vida longa!Viva Nossa Senhora da Conceição, Viva!


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

BLOGDOROCHA: A ROTUNDA DA PRAÇA DA POLÍCIA

BLOGDOROCHA: A ROTUNDA DA PRAÇA DA POLÍCIA: Ao abrir o álbum de família, fiquei a observar atentamente uma fotografia em preto e branco, acredito que deva ser do início da década...

BLOGDOROCHA: JARAQUI, O JARACA PARA OS MANOS DE MANAUS

BLOGDOROCHA: JARAQUI, O JARACA PARA OS MANOS DE MANAUS: O Jaraqui tem um nome complicado, conhecido no meio científico como “Semaprochilodus”, para os meus manos caboclos é apelidad...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O TERÇO DO PORTO DAS PEDRAS


Na minha juventude, em 1977, passei uma temporada no Rio de Janeiro, morava na Rua Carlos de Carvalho, no centro, próximo ao Hospital do Câncer e do Hospital da Cruz Vermelha, morava com uma família de amazonenses, comandada pelo casal Senhor Carvalho e Dona Nazaré – estava em tratamento de saúde, tentando resolver um problema no meu ouvido esquerdo, uma otite média com o tímpano perfurado, que me acompanhou desde criança – foi ai que começou a história do terço da fotografia.

Venho de uma família que professa o catolicismo, com a minha avô paterna, a Dona Lídia, uma cearense católica, apostólica e romana – ela ficava o tempo todo com um terço nas mãos e, desde pequeno eu era levado por ela a frequentar as missas na Matriz Nossa Senhora da Conceição. A minha mãezinha, a Dona Neli, também era uma católica fervorosa e, sempre estava rezando o seu terço, aliás, possuía vários deles.

Não tive o tratamento adequado no Rio, mas, resolvi ficar por lá por um tempo, pois o meu irmão Henrique, veio de São Paulo e ficou morando comigo, foram tempos bons onde guardo boas lembranças.

A Dona Nazaré aconselhou-me visitar o bairro Porto das Pedras, na cidade de São Gonçalo, para receber uma graça, pois ali existia uma enorme romaria ao Santuário Jesus Crucificado, onde no dia 26 de Janeiro de 1968 aconteceu um milagre, saindo das chagas de Jesus um líquido vermelho, em plena missa, o que foi constatado por todos fieis ali presentes..

O acesso era muito difícil, mas, consegui chegar ao destino, onde visitei a igreja e, constatei inúmeros relatos de curas pela fé – não cheguei a alcançar a graça, pois a minha fé sempre foi um tanto precária, apesar da minha criação no catolicismo.

Entrei numa lojinha e, comprei três terço, para presentear a Dona Nazaré, a minha mãe Nely e uma namoradinha que tinha deixado em Manaus – ele era imenso, com bolinhas em madeira.

O terço da minha mãe permaneceu com ela até a sua morte, depois, ficou em minha companhia, apesar de ser um católico pouco praticamente e, também não sei rezar o terço, no entanto, guardo para rezar o Pai Nosso todo santo dia e, lembrar da minha mãe, do Porto das Pedras e do Rio.

Caso a minha netinha, a Maria Eduarda continue na religião católica quando crescer, farei questão de dar-lhe de presente quando eu começar a sentir o peso da idade. É isso ai.

sábado, 29 de novembro de 2014

OS NOSSOS PERIQUITOS, PAPAGAIOS E ARARAS URBANOS



A cidade de Manaus sempre foi um “pingo no oceano de floresta”, uma merreca de onze mil quilômetros quadrados, localizada no centro da maior floresta tropical do mundo, dentro do Estado do Amazonas, com um milhão e meio de Km2, porém, rica em aves urbanas.

Na minha infância, presenciava o cantar de centenas de pássaros, muitos deles nas gaiolas de passarinheiros – com exceção dos periquitos, papagaios e araras, considerados animais “exóticos”, vendidos a “peso de ouro” no Mercado Adolpho Lisboa – criados como animais de criação, conhecidos como “xerimbabos”.

Era muito difícil vê-los soltos na natureza, pois eram implacavelmente caçados – os mais jovens gostavam de ostentar o troféu quando conseguia balear algum deles.

Pois bem, o tempo passou, a legislação ambiental ficou duríssima com essa prática, além da nova geração de pessoas terem uma visão mais protetora desses animais.

Atualmente, eles vivem em bandos dentro da cidade, fazendo a festa nas mangueiras e arredores da cidade. Já presenciei alguns deles na fachada do Teatro Amazonas e na torre da Igreja de São Sebastião, fazendo alegria para o mundo ver.

Com relação às Araras, sempre vejo alguns casais passeando pela Zona Norte da cidade (Cidade Nova e Nova Cidade), pois ainda são muitos arredios, preferindo morar nas florestas da Reserva Ducke. 

Que linda a natureza e os amimais, mas, ainda existem alguns debiloides FDP que não gostam do “barulho” que esses animais fazem e, colocam veneno para matar alguns deles, no afã de terem mais “sossego” em suas residências! Pense numa “fuleiragem” dessa!

Pois é, mano velho, a natureza é sábia, caso você trata-la muito bem, ela vai encher os teus olhos de alegria e felicidade, caso contrário, irá mata-lo lentamente! Podes crer! É isso ai

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

SECOS & MOLHADOS

BLACK FRIDAY – Acontece na última sexta-feira de Novembro. É uma expressão em inglês, significando “Sexta-Feira Negra”, em oposição ao “Dia de Ação de Graças” dos americanos. As lojas preparam descontos muito atrativos, levando multidões aos centros de compras. É uma loucura! Por lá, os comerciantes disponibilizam as pontas de estoques e eletrônicos com versões ultrapassadas, com a finalidade de fazer caixa e renovar as compras de novos produtos e lançamentos, tendo em vista o Natal e o Ano Novo. Como gostamos de copiar os ianques, essa moda está pegando aqui no Brasil, no entanto, os comerciantes brasileiros estão dando um desconto muito tímido, bem pequenino, com a intenção de vender os restos de estoque e, de sobra, vender os novos lançamentos! Lembre-se de uma coisa: a margem de lucro em média gira em torno de 30% e, vendas com descontos dentro dentro desse percentual, deve-se ficar com o pé atrás - mesmo com descontos superiores para os produtos importados, eles ainda assim são muitos caros no Brasil. Segundo os especialistas, o comprador deve primeiro saber o quer comprar, depois, pesquisar o preço de mercado e, somente comprar se o desconto for vantajoso. Comprar no cartão sem ter condições de pagar, vai contribuir para aumentar o rombo no final do mês. Outra coisa: somente compre o que realmente vai precisar. Eu estou fora dessa moda, mas, caso o Bar Caldeira faça uma promoção da Brahma, estarei lá, com certeza!

O Marcelo Fu Korem, um grande amigo de copo lá do Caldeira e do Armando, teve uns tempos atrás em que estava bastante bronqueado com a “Dona Encrenca”– aprontava todas e, sempre chegava tarde da noite em casa. Certa vez, a madame resolveu “dar uma dura” no caboco. Fechou por dentro os portões, as portas, as janelas e a garagem, ligou o alarme e o ar condicionado, além de soltar os cachorros, com ordem de pegar qualquer um que se atravesse entrar, mesmo sendo o maridão! Pois bem, o bonitinho chegou de porre lá pelas tantas, tentava abrir as portas,mas, estavam com trava na parte interna! Gritou, gritou e, gritou feito louco, tudo em vão, pois a nega velha não dava à mínima! Tirou a camisa, resolvendo escalar uma grade de ferro para tentar arrombar uma janela do andar superior. Quando estava conseguindo entrar, chega a polícia do “Ronda nos Bairros”:
- Desce daí, negão! – grita o meganha, mirando uma arma de grosso calibre.
- Calma, estou entrando na minha própria casa! – responde aflito o Marcelão.
– Conta outra, sem camisa e subindo pelas paredes altas horas da madrugada, pode descer ou vais levar bala no couro! – o policial dá o ultimato.
Nessa confusão toda, enche de gente para todos os lados e a sua quase ex-mulher resolveu abrir outra janela.
Ai o Marcelão gritou:- Oi amorzinho, fala para os policias que você é minha mulher e que essa é nossa casa!
Ela respondeu: - Nem te conheço, nunca vi esse cara na minha vida! Policial, pode levar preso esse negão!
Depois dessa, o Marcelo ficou “bem pianhinho”, chegava cedo em casa e deixou por um bom tempo os amigos de copo! Foi um santo remédio para o Marcelo Fu Korem! Acho que ele já voltou a ativa novamente, pois dias desses ele me contou essa parada lá Bar Caldeira "Oficial"


A Prefeitura de Manaus (PMM) inaugurou no final de Outubro um bonito prédio de 900 metros quadrados, para atender urgência e emergência com o apoio integral do SAMU, a todos os frequentadores do Complexo Turístico Ponta Negra. No Posto Médico Avançado da Ponta Negra (PMA) abrigará também todos os setores da prefeitura que atuam de forma integrada no complexo, além do Corpo de Bombeiros e Polícia Militar.
Na minha juventude, sofri um acidente naquele balneário – ao dar um mergulho, bati com a minha cabeça numa imensa pedra que estava submersa – fui levada de táxi até o centro da cidade, para pegar pontos no couro cabeludo – tive muita sorte, pois naquele tempo não existia nada na praia para atender as emergências, muito diferente dos dias de hoje. Foto: Rocha


Estou curtindo o face do Bar 5 Estrelas do meu amigo Charles Stones!g!
"G1 - Joaquim Santos Rodrigues, o "Seu Lunga", morreu por volta das 9 horas deste sábado (22) na cidade de Barbalha, no Cariri cearense. "Seu Lunga" tinha 87 anos e estava internado no Hospital São Vicente de Paulo há três dias, em Barbalha, por causa de um câncer de esôfago. O sepultamento será neste domingo(23) no Cemitério do Socorro, em Juazeiro do Norte. Comerciante, poeta e repentista ganhou fama no Nordeste pelos causos que citavam seu mau-humor.Perguntado pela repórter se o cometário era verdadeiro, ele respondeu: “Tudo no mundo tem jeito. O que não tem jeito é esse bando de desocupado que fica inventando estória e fazendo pergunta imbecil”. "O senhor é popular na cidade", pergunta o repórter? "Não. É que eu não gosto de pergunta imbecil e o povo gosta de fazer pergunta imbecil. Tem de pensar antes de falar. Eu não tenho esse jeito de falar bobagem e de ouvir besteira". A entrevista continua: "O senhor vende tudo aqui, não é, “Seu Lunga”?". O comerciante reponde de pronto: "Não. O mundo não tem tudo, como é que você quer que eu venda tudo aqui na minha mercearia?"
Sobre os políticos, “Seu Lunga” também tinha opinião formada é não era das melhores. “No nosso Brasil tá faltando homem de fibra, de caráter, homem que faça as coisas de maneira honesta. Esse povo que está aí no poder, mandando, é de fazer vergonha”.



Prado (Hipódromo) Amazonense – No início do 1906 foi fundada, em Manaus, uma sociedade anônima com o nome de Prado Amazonense, para a prática do turfe (corrida de cavalos) – ficava nas proximidades do Reservatório do Mocó, na Vila Municipal. A pista de desenvolvimento era de 1 quilometro e largura de 12 metros.
Tempos depois, o local foi transformado em estádio de futebol “Parque Amazonense”, no Beco do Macedo – foi fechado e abandonado, restando somente o portão principal.



PRAIA DA LUA
Que tempo bom. 
Que não volta nunca mais... Lilico
Você é luz, é raio estrela e luar,
Manhã de sol, meu iaiá, meu ioiô
Você é sim, e nunca meu não, Wando
É muita água, mano! Praia da Lua.

GALERIA DOS REMÉDIOS – Ontem, resolvi conhecer a Galeria dos Remédios, um prédio situada na Rua Miranda Leão, onde abriga centenas de ex camelôs - depois de muitos anos voltei aquele lugar, pois fui funcionário do Sr. James Arnaud, sócio da Mavel Veículos e da Importadora Souza Arnaud. Na qualidade de Presidente da Associação dos Funcionários do Souza Arnaud (ARSA), editava naquele local um jornalzinho denominado “Circulando”. Tempos bons! Pois bem, a intenção era conhecer o último andar, onde é possível ter uma bela visão da conhecida “Beira do Mercadão” e, tirar fotografias para vocês! Depois, fui até o Mercadão, onde bati um papo com alguns amigos de infância, o Tico (segurança) e o Manoelzinho (permissionário), em seguida, devorei um jaraqui frito com baião de dois, na barraca do Sassá. Foi muito bom!


Este lugar me trás boas lembranças, pois passava todo santo dia por lá na minha infância, depois, comecei a frequenta-lo na fase adulta, o imóvel pertencia ao Sr. Cruz, dono da fábrica Magistral, o bar foi tocado por muito tempo pela família do Carlos, um senhor que ainda hoje possui um boteco "pé sujo" na esquina da Avenida Joaquim Nabuco com a Rua Lauro Cavalcante - essa foto é da época quando o casal Afonso Toscano e Conceição Toscano administravam o bar "Casa da Sogra". Infelizmente, esse imóvel de 1919 foi demolido pela UNINORTE, para fazer um estacionamento!


FERIADO EM MANAUS - Hoje, tinha as seguintes opções: ficar em casa - visitar parentes - participar da feijoada na 14 ou encontrar com os amigos no Bar Caldeira - porém, resolvi trabalhar em pleno feriado municipal – sai cedo da manhã para o batente e, próximo ao meio-dia a missão estava quase cumprida, quando peguei um atalho pelo bairro Boas Novas (Cidade Nova), para pegar a Avenida das Torres, com a intenção de chegar rapidamente ao centro – eu estava numa pista dupla, pensando que estava na principal e, num cruzamento onde existe um supermercado Smart, passei bem devagar, mas vinha um carro na outra rua e, fui pego em cheio, sai meio atordoado e, fui ver a coisa preta – o outro carro era simplesmente um Cobalt do ano, outra coisa, a madame que estava dirigindo estava na preferencial! Depois, passei três horas em uma Delegacia de Polícia para fazer um BO, pois tinha gente bronqueada que não era brincadeira. Ainda bem que a outra parte possui seguro, mas, terei que negociar um valor que a seguradora cobra para poder cobrir os danos (não sai barato, não). O carro da madame vai para uma concessionária top,enquanto o meu vai para o Zé "O Rei da Lanternagem"! Quem manda trabalhar no feriado! Eu, hein!

sábado, 22 de novembro de 2014

FOTOS DE MANAUS - ROCHA









Fotos: 
Porto de Manaus e Ponte Rio Negro
Alfândega do Porto
Prédio da Belle èpoque
Rua Miranda Leão
Casas antigas em processo de revitalização
Praia da Lua (Rio Negro)
Ruínas do Hipódromo Amazonense

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

NESTOR NASCIMENTO

No próximo dia 20 de Novembro, será comemorado, em Manaus, o “Dia da Consciência Negra”, feriado municipal. Nada mais justo do que homenagear o saudoso Nestor Nascimento, considerado o maior líder negro da história do Amazonas, com uma marcante defesa dos direitos civis.

Tive o privilégio de conhecê-lo, inclusive foi meu professor de História e Literatura Portuguesa, no “Curso Dinâmico”, num prédio demolido que ficava na Avenida Getúlio Vargas – fui preparado por ele para o vestibular da antiga Universidade do Amazonas (UA), atual UFAM.

Para quem não sabe, ele nasceu em 11 de Dezembro de 1947, fundador do “Movimento Alma Negra – MOAN” - veio de uma família tradicional do Bairro da Praça 14, onde fundou a “Associação dos Amigos e Moradores da 14” e da “Escola de Samba Vitória Régia”.

Formou-se em Direito pela UA, exercendo vários cargos públicos, atuou também no jornalismo nas cidades do Rio de Janeiro e  Manaus.

Na qualidade de advogado, atuava como “Pro Bono – para o bem do povo” – defendia as prostitutas, os negros, os índios e todas as pessoas de baixa renda, sem nada cobrar pelos seus serviços, pois exercia com amor, respeito e carinho ao próximo.

O seu trabalho foi reconhecido nos Estados Unidos, onde foi entrevistado na “Voz da América”, sendo considerado um dos mais ilustres defensores dos direitos civis do Brasil.


Ele era muito querido por todos os frequentadores do Bar do Armando – amava a Banda Independente da Confraria do Bar do Armando (BICA) – foi o local onde tive a oportunidade de bater muito papo com ele e, por ter sido o seu aluno, sempre o reverenciava.

Fui visitá-lo quando estava nos últimos dias da sua vida, em 2002, morava com um parente numa vila situada na Avenida Constantino Nery – ele morreu pobre materialmente, mas, rico espiritualmente!



Viva ao Nestor Nascimento! Viva o dia da consciência negra! Viva ao fundador do Movimento Alma Negra no Amazonas! Viva! É isso ai.


Fotos: arquivos do escritor e poeta Simão Pessoa. 

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

COLÉGIO CARVALHO LEAL


Colégio Carvalho Leal, ontem e hoje. Construído em 1919, na Rua Borba, bairro de Cachoeirinha.

Histórico
Tradicional unidade de ensino da cidade de Manaus, a escola estadual Carvalho Leal foi criada por meio do Decreto de nº 74 de 27 de dezembro de 1926. A escola recebeu o nome de Carvalho Leal em homenagem ao republicano Domingos Teóphilo de Carvalho Leal, nascido em São Luís do Maranhão em 1854.

A inauguração da unidade de ensino, naquela época denominada de ‘Grupo Escolar’, ocorreu no dia 1º de janeiro de 1927, instalado na Chácara Affonso de Carvalho (situada àquele momento à Rua Codajás, hoje bairro Cachoeirinha), que precisou ser reconstruída e adaptada pela administração estadual.

A construção da atual sede da Escola Estadual Carvalho Leal, na Rua Borba, foi iniciada em 1948 e inaugurada no ano seguinte, em 5 de setembro.

A escola tem como patrono Domingos Teóphilo de Carvalho Leal. Natural de São Luís do Maranhão, Carvalho Leal iniciou seus estudos primários em sua cidade natal e concluiu o Secundário no Rio de Janeiro.

Para continuar os estudos seguiu para Suíça onde se graduou em Filosofia e Belas Artes na Universidade de Zurique. Ao retornar ao Brasil, em 1879, morou em Belém do Pará e dedicou-se à divulgação dos ideais republicanos.

Em 1880 transferiu-se para a capital amazonense. Nove anos depois participou da fundação do Clube Republicano do Amazonas, que mais tarde tornou-se o Partido Democrático.

Carvalho Leal foi o único civil a compor a Junta Governativa Provisória do Estado do Amazonas, instalada em 21 de novembro de 1889.


domingo, 16 de novembro de 2014

sábado, 15 de novembro de 2014

MANHÃ DE FERIADO NA MANA MANAUS

Sábado, feriado nacional, um dia comemorativo a Proclamação da República - acordei numa ressaca daquelas, tomei um litro de água gelada e, sai para curtir o dia da “res publica = coisa pública”, lembrei-me de 1993, quando participei juntamente com milhões de brasileiros para escolher num plebiscito se continuávamos no regime republicano ou se voltávamos ao monarquista, não sei “por que diabos” optei na volta dos descendentes do Dom Pedro II, acho que naquele dia estava de porre, aliás, não sei nem para que serve mesmo a republica ou a monarquia, deixa para lá, vou é passear pela minha cidade querida.



Pois bem, rumei para o Mercado Municipal Dorval Porto, para tomar uma suculenta sopa mista (mocotó, músculos e legumes), bem quente e bastante caldo, para forrar o bucho e espantar o excesso de ontem.




Entrei numa drogaria para comprar uns comprimidos para dor de cabeça e colírio para clarear os olhos – o atendente me ofereceu um produto que estava em promoção: Levedo de Cerveja! – Tu és doido, não quero nem ouvir falar em cerveja e você ainda vem com levedo, tô fora! – respondi numa boa.


Dei um pulo até o antigo Parque Amazonense, passei pelo Portal Histórico, sentei e voltei ao passado, lembrei quando pulava os muros para curtir o meu Fast Clube jogar – da linda arquibancada onde ficava os bacanas sobrou apenas uma coluna de ferro fabricada em Glasgow - senti água na boca do meu lanche preferido, o “Disco Voador”, um sanduíche de picadinho com refresco de maracujá – acordei e, deparei-me com tudo acabado, restou somente o portal e as boas lembranças de antigamente.



Corri para a Praça da Polícia, para participar do “Projeto Jaraqui”, onde encontrei com velhos amigos – o professor Ademir Ramos pediu-me para falar rapidamente sobre o saudoso Nestor Nascimento, o fundador do “Movimento Alma Negra”, falei de improviso e algumas pessoas gostaram do meu lero, pois vieram me cumprimentar.




O clima está bom nesse feriado, perfeito para passear pela nossa cidade a “Mana Manaus”. É isso ai

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

SECOS & MOLHADOS


O GUARDA-CHUVA VIP – Dei um rolé pela Galeria Espírito Santo, no centro, onde estão alojados os ex-camelôs e atuais Micros Empreendedores, para comprar um protetor contra a chuva, pois estava cansado de ficar molhado na rua todo santo dia – encontrei um na cor preta, automático e bem pequeno, podendo ser tranquilamente agasalhado na minha mochila, ao preço de dez reais, baratinho, mas, ordinário (made in China), talvez aguente uma temporada de chuvas ou não. Pois bem, na tela veio uma sigla em inglês VIP = Very Important Person – Ao sair, peguei o primeiro temporal, era muita chuva com ventos fortes, senti que o protetor não iria suportar e, parei embaixo de uma marquise, onde estavam várias pessoas. Um senhor ao ver aquela sigla, aproximou-se e perguntou: - O senhor deve ser uma pessoa muito importante, não é? Respondi-lhe, na gozação: - Sim, sou VIP, pois Vim do Interior do Pará! Ele caiu na gargalhada e disse: - Somos conterrâneos, parente! Ai o papo rolou até a chuva passar e ele descobrir que eu estava apenas brincando, pois sou manauara da gema. Fiquei invocado com o citado guarda-chuva e com a sigla VIP, voltei a galeria e comprei outro mais modesto! Eu, hein!


MÃO NA MASSA - Não se deve esperar somente pela ação dos Órgãos Públicos - o cidadão e a sociedade civil tem o dever de ajudar e colaborar, colocando de fato "a mão na massa", procurando conservar, limpar, fazer pequenos consertos e conscientizar as demais pessoas sobre a importância de cuidar do que é seu, pois o bem público como o nome já diz é de todos e não da Prefeitura ou de outro órgão! Ruas cheias de lixos, matagal, água servida correndo na rua e pequenos buracos podem ser resolvidos com a ajuda de todos os moradores através de um mutirão, mas, a grande maioria prefere esperar por longo tempo a prefeitura fazer isso! Parabéns aos alunos da UNINORTE que resolveram recuperar duas paradas de ônibus, onde eles utilizam todo dia ao sair da faculdade, não esperaram pela Prefeitura, apenas pediram orientação e foram à luta!  


MONUMENTO A TENENTE ROXANA BONESSI. Acesse o linque abaixo para conhecer esse triste e fatal história que acontenceu em Manaus. Foto: Rocha
http://noamazonaseassim.com/monumento-tenente-roxana-bones…/
SOMOS IGUAIS, SEM PRECONCEITO – Geralmente as pessoas formam grupos de amizades, de acordo com as características comuns entre eles, por exemplo, faixa etária (jovens e velhos), gosto musical (roqueiros), músicos, religiosos, colegas de trabalho, vizinhos, etc. Cada um na sua, sem se misturar na maioria das vezes. Um fato interessante que observo sempre no Bar Caldeira, centro antigo de Manaus, é a união da velha guarda com os jovens – não existe preconceito entre eles, todos se juntam para beber, cantar, tocar, dançar e conversar numa boa. E isso é muito bom! Um exemplo recente foi o aniversário de sessenta aninhos da nossa amiga Jumara Whitaker, onde a maioria dos jovens cercou de amor e carinho a aniversariante. Que legal essa simbiose entre os diversos grupos, sem preconceito algum. É isso ai.


PAPOULA (ATRIZ E LIDER FEMINISTA) A LA FRIDA KAHLO (ARTISTA PLÁSTICA E COMUNISTA MEXICANA). 

Frida Kahlo viveu como Diego Rivera recomendou, um dia, a ela: 'Pega da vida tudo o que ela te der, seja o que for, sempre que te interesse e possa dar certo.' Ela costumava dizer que 'a tragédia é o mais ridículo que há' e 'nada vale mais do que a risada'.

COISAS DA POLÍTICA BARÉ – O Arthur teve que fazer acordo com o então prefeito Negão, para ter “bala na agulha” na disputa pela Prefeitura de Manaus. Ao assumir, encontrou um rombo de R$ 329 milhões – comunicou o fato ao Tribunal de Contas do Estado e, ficou calado! Não sei se fazia parte do tal acordo, mas, teve que engolir esse “sapo enrolado com arame farpado”. Dois anos depois, o Josué Filho, presidente do TCE, anunciou a aprovação das contas do Amazonino e, pasmem, falou e disse que ainda houve um superávit em R$ 43,8 milhões! Não bate essa conta! Deixa-me entender: O radialista Josué era compadre do governador Gilberto Mestrinho, que foi “pai político” do Amazonino, que por sua vez foi pai do Dudu, que brigou com o Arthur, que por sua vez fez acordos com o Negão. Caramba, são “farinha do mesmo saco”! O Arthur está “se virando nos trinta” para bem administrar a cidade de Manaus, inclusive pediu US$ 200 milhões emprestados, para pagar parte das contas deixadas pelo Mazoca. Enquanto isso, o ex-prefeito está descansando em sua “Mansão do Tarumã”, viajando e curtindo a vida numa boa. Diga lá Amazonino, como fica o povão? Que se f.... mermão!
MÊS AZUL - Um mês para conscientização do câncer de próstata. A tecnologia já levou o homem a Lua e, previsão para chegar até Marte, mas, ainda não inventaram outro exame para os homens diagnosticarem se eles estão com câncer ou não: a cutucada no fiofó! O preconceito mata e, mata mesmo! Esse tipo de exame também "mata de vergonha" o sujeito! Não adianta fazer ultrassom ou PSA, tem que fazer o cruel! Tá rindo? Deixa passar dos cinquenta anos, pois o bicho vai te pegar também! Sou mais uma injeção na testa, mas, fazer o quê?Eu, hein!

AVISO AOS NAVEGANTES: O Mengão vai voltar a Arena da Amazônia, com o time reserva dos reservas, num jogo contra o Vitória da Bahia, no dia 30 de Novembro, porém, os preços continuam os mesmos: R$ 80 (anel superior), R$ 120 (anel inferior), R$ 150 (área VIP) e R$ 250 (camarote, por pessoa), sendo todos os valores referentes à meia-entrada, seja com comprovante estudantil ou com a entrega de 1 quilo de alimento não-perecível. Sou flamenguista, não posso perder essa! Te esperou!

AUMENTO DA GASOLINA – Um das justificativas para tal aumento é para “recompor caixa da Petrobrás”, pois ela foi saqueada, arrombada e quase quebrada - o povo brasileiro tem “o dever” de cobrir esse rombo, além dos mais, já passaram as eleições e, não vai adianta nada espernear! Mesmo andando de bicicleta ou a pé, o aumento vai afetar o frete das mercadorias, os preços dos produtos e tudo o mais! Pega leso, acho é pouco!


CACHOEIRA DE PARICATUBA. Ainda preservada e, somente aparece na vazante do Rio Negro. A cachoeira é uma maravilha, apesar de pequena; a água é tão fria que dói até o osso da canela! O local é bem limpo, possui diversas barracas de venda de bebidas e peixes assados, uma delícia! Ao meio-dia chegam diversos ônibus e automóveis, o acesso é por um ramal do km 24 da AM-10. Segundo alguns moradores, a nascente do igarapé fica a 40 km no Rio Miriti, no município de Manacapuru. O local é tão aprazível que lembrei da minha infância, quando tomava banho na cachoeira do Tarumã.



IGREJA DE SANTA CECÍLIA, A PADROEIRA DOS MÚSICOS E DA MÚSICA SACRA – Fica na Rua Japurá, 701, no bairro da Cachoeirinha – Segundo os historiadores, ela foi martirizada entre 176 e 180, sob o Império Romano de Marcus Aurélio. Nas escavações arqueológicas realizadas em 1599, o seu corpo foi encontrado incorrupto, ou seja, não deteriorado mesmo depois de tantos séculos. Era de uma nobre família romana e filha de um senador. Por ela ser católica, o prefeito de Roma determinou que fosse degolada e, antes de morrer cantou para Deus. A sua Festa é celebrada no dia 22 de Novembro, dia do músico e da música sacra. Segundo o Dicionário Aurélio, músico é todo aquele (a) que compõem peças musicais, toca ou canta, ou pertence a uma banda ou orquestra, dessa forma, a homenagem vai para os seguintes músicos do face: Nato NetoAfonso ToscanoAdal da Silva,Celestina MariaGraca SilvaKátia MariaLili AndradeChico da SilvaJosé Roberto Pinheiro PinheiroRui MachadoLucinha CabralLucilene Castro,Tião AmancioAntonio PereiraRuy Lima de SouzaIsabel Cristina Vega,Humberto AmorimFloriano Saraiva de SouzaRoosevelt Fernandes Jr.,Rosana Sirrose SirrosePaulo De Tarso OliveiraDessana Dessana

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

THE NEW ROADWAY


Depois de longo e tenebroso inverno, o Porto de Manaus (Roadway) está quase totalmente pronto para ser entregue a população, mas, poucos sabem que grande parte dele já está liberada para visitação pública – aproveitei essa brecha para fazer uma caminhada por lá e tirar fotografias.



 Esse porto já sofreu muito nas mãos de políticos safados – o Amazonino, na qualidade de governador do Amazonas, aprontou mais uma das suas e, entregou “de mão beijada” para a família Di Carli, que administrou por anos, destruindo parte das instalações portuárias, além fechar por tempo indeterminado o Museu do Porto e demolir prédios históricos do seu entorno.



Para completar, tentou de todas as formas transformar o Porto de Manaus em um grande “Camelodrómo”, não conseguindo tal intento por forças da brilhante atuação do Ministério Público.



Depois de muitas brigas, o DNIT conseguiu reaver a administração do Roadway e, tentou implementar uma revitalização e modernização, porém, o Tribunal de Contas da União (TCU) encontrou um sobrepreço na ordem de 4 milhões de reais, forçando a construtora J. Nasser a baixar de 75 milhões para 71 milhões de reais.

Em decorrência dessa mutreta, houve um atraso no inicio das obras em um ano e, o que era para ser entregue em junho, na Copa do Mundo, somente agora está sendo devolvido a população.

Aliás, tem muita gente com os bolsos cheios de reais, com as obras da Arena da Amazônia, Aeroporto Internacional de Manaus, Porto de Manaus, Mobilidade Urbana e outras mais – são os que eles chamam de “legado” da Copa do Mundo!


Voltando ao nosso Roadway – houve um acompanhamento do IPHAN em todo o processo, com a retirada de uma passarela lateral, além da volta da “Praça dos Ingleses” de outrora.



Houve a abertura dos tapumes que separavam a Casa de Leitura Thiago de Melo (antigo Tesouro do Estado, onde nasceu Manaus), Píer (com os passáros mergulhões morando por lá) e o Armazém Quinze – essas obras se arrastam por anos e, foram gastos mais de 10 milhões de reais, porém, a biblioteca com todo o acerco comprado do nosso poeta maior (custou 1 milhão) ainda está fechado ao público.




Apesar de todos os desacertos e roubalheiras, o lugar é muito bonito para passear – vamos esquecer um pouco e curtir o novo Roadway. É isso ai.

Fotos: Rocha

terça-feira, 11 de novembro de 2014

A MADRINHA NOÊMIA BITTAR


Dia 25 de Novembro, data comemorativa do “Dia da Madrinha”, considerada a segunda mãe, tanto que o nome vem do latim matrina, uma variante de mater, que significa mãe – tempos passados tomávamos benção da nossa “madrinha de batismo” e até da “madrinha de fogueira”, mas, nos dias atuais, os filhos não tomam nem da mãe, imagine da madrinha! 

Coisa boa é falar bem da nossa madrinha da antigamente e, como estamos no mês de sua comemoração, lembrei-me da minha postiça, pois não cheguei a conhecer a verdadeira - a madrinha dos meus irmãos, foi para todos os efeitos, a minha também.

Ela chamava-se Dona Noêmia Bittar, uma senhora morena, baixinha, elegante, usava uns óculos escuros para esconder um problema em um dos seus olhos, sempre sorrindo, pertencia à classe média alta e, sempre estava disposta a ajudar os mais necessitados.

Ela morava na Rua Leovegildo Coêlho, no centro antigo de Manaus, a sua casa era belíssima, no estilo bangalô – era casada com o Senhor João Bittar, um rico comerciante de origem síria – tiveram os seguintes filhos: Marilene, Lucia, João Bosco e Jânio. 

A minha irmã mais velha, a Kelva Fernandes, foi a primeira a ser batizada, sendo a mais querida pela madrinha, tanto que a levou para morar por uns tempos no Rio de Janeiro, quando era considerada “A Cidade Maravilhosa”.

Depois, batizou o Rocha Filho, a Graciete e o Henrique – fiquei de fora, pois o meus pais preferiram um casal de comerciantes que também moravam na Rua Leovegildo Coêlho.

A Dona Noêmia me chamava de Juscelino, pois nasci no dia do aniversário do então presidente da República, o Juscelino Kubistchek – para todos os efeitos ela era a minha madrinha - tomava sua benção na minha infância e, ganhava sempre presentes quando aniversariava e no Natal.

A minha família era muito humilde e, ela sempre colaborava na manutenção da nossa casa, doando roupas, móveis e até dinheiro – a minha mãe Nely e a minha avó Lídia Martins prestaram serviços domésticos para a família dos Bittar.

A madrinha da nossa casa, a Dona Noêmia Bittar já estar no céu, ao lado do Nosso Senhor Deus – peço a sua benção! É isso ai.  
                                                       



quinta-feira, 6 de novembro de 2014

CANTOR GIL VALENTE

Texto: Lucila Meireles*

A poesia das canções de Gil Valente é conhecida em festivais do Amazonas e do país. Possui um repertório variado e exalto que vai de suas próprias composições, passeando pelo samba de raiz e pela Música Popular Brasileira e Amazonense (MPB / MPA), com canções dos grandes compositores brasileiros, como Noel Rosa, Cartola, Nelson Cavaquinho, Chico Buarque, Caetano Veloso, Djavan, Zeca Torres, Nicolas Júnior, Cileno, dentre outros.

Histórico

É músico, cantor e compositor. Como compositor acaba de completar treze anos de carreira, isto é, contando com o primeiro festival de música em que ele participou e estreou com pé-direito, vencendo o 2° festival de Manacapuru (2002) com melhor letra, melhor intérprete e melhor música com a canção “Lamento Caboclo”.

Como cantor, Gil Valente ultrapassa um pouco mais de quinze anos de carreira, em Belém, sua terra natal, liderou as bandas: Energia, Sedução, Remelexo, Nazaré, entre outras. Em Manaus liderou as bandas: Impacto, Os embaixadores, Òrion e “Cordão do Marambaia”.

Como músico, aos seis anos de idade já tentava fazer os primeiros calos nos dedos, quando o pai lhe dava as primeiras aulas no velho “Tonante” com cordas de aço, em seguida foi para a escola de violão e composição com Marcos Ferrer, escola de choro do Pará, escola de violão flamenco no Largo da Ordem (Curitiba), espetáculos nos teatros Gebes Medeiros, Ivete Ibiapina, Ideal Clube e Teatro Amazonas (AM).

Projeto Dim Dom Experimental nos teatros Gasômetro e Margarida Schivasappa (PA), apresentações em espaços culturais em Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Fortaleza, suas últimas conquistas foram: 1° e 3° lugar, melhor arranjo e melhor letra do Festival de Itacoatiara 2012 com as músicas “Obra-Prima” e “Estrela Valsa” (28° Fecani), 2° lugar geral no FAM/2012 (Festival de Música do Amazonas) com a música “Amor em Silêncio”, 2º lugar e melhor letra no FAM/2013 com a música "Lendário Calendário Maia".

Gil Valente sempre esteve nas finais de todos os festivais em que participou até o presente momento, em 2012, lançou seu primeiro álbum autoral intitulado "De Fino Trato".

Recentemente ganhou o 3º lugar como melhor música a composição “Índios Urbanos” no 5º Festival Amazonas de Música.

Em breve estará lançando seu novo CD "Brasil Cafuzo" (2014 – 2015).


(*) Assessora Parlamentar da ALEAM e Jornalista.